A remoção das flores do arbusto invasivo, Prosopis juliflora, em áreas infestadas por mosquitos no Mali, oeste da África, diminui a população local de vetores em cerca de 60%, de acordo com um novo estudo liderado pelo Dr. Gunter Muller da Hebrew University Hadassah School of Medicine, em colaboração com o Dr. John Beier, entomologista da University of Miami Miller School of Medicine.

Estas plantas fornecem ao mosquito o açúcar que é crítico para sua sobrevivência. O estudo, realizado no Distrito Bandiagara em Mali, é o primeiro de seu tipo a tentar uma manipulação ambiental direta como forma de controlar as populações do mosquito vetor em áreas de risco de transmissão de malária. A remoção dos ramos de flores destes arbustos específicos, descobriram os pesquisadores, também triplicaram a queda na população de fêmeas Anopheles, mais velhas e mais perigosas, que são conhecidas por transmitir a malária para humanos mais frequentemente.

A Prosopis juliflora, nativa da América Central e do Sul, foi introduzida em novas áreas no final dos anos 70 e início dos 80 como uma tentativa de reverter o desmatamento. O resistente arbusto ocupa hoje milhões de hectares do continente africano, incluindo países como Mali, Chade, Nigéria, Etiópia, Sudão e Quênia.

Os pesquisadores concluíram que “pode valer a pena abster-se da introdução de plantas exóticas que tenham o potencial de se tornar invasivas, não somente por causa de seu potencial de impactos negativos no ambiente e formas de vida, mas porque alguns deles podem trazer consequências significativas para a saúde pública e, especificamente, para o aumento da transmissão da malária.”

Leia mais em  University of Miami Health System website

 

Leia mais em the Julho 5, 2017 Malaria Journal

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone