Uma jovem de 21 anos, vinda da Autoridade Palestina, acaba de saber que as gêmeas idênticas que ela carrega em seu útero estão se desenvolvendo bem graças à intervenção do especialista em Medicina Fetal do Hadassah Medical Center.

A mulher descobriu no sexto mês que aquela era uma gravidez de risco. As gêmeas apresentavam a Síndrome da Transfusão Intergemelar, uma rara e séria complicação que ocorre em gêmeos idênticos, onde o sangue flui de um bebê para o outro através dos vasos sanguíneos da placenta compartilhada, frequentemente fatal para ambos os bebês.

Um médico local encaminhou-a de um especialista para outro até que, em última instância, foi encaminhada ao Dr. Firas Jawdat, especialista em Medicina Fetal na Autoridade Palestina. Dr. Firas foi treinado pelo especialista em Medicina Fetal do Hadassah, Dr. Yuval Gielchinsky, que se capacitou em Londres junto ao maior especialista do mundo nesse campo, o Prof. Kypros Nicolaides.

Foi o Dr. Gielchinsky quem estabeleceu a unidade de Medicina Fetal no Hospital Hadassah Ein Kerem, há quatro anos, que conta com um avançado aparelho de ultrassom e o equipamento a laser necessário para tratar o problema. Como o Dr. Firas não tinha este equipamento em seu hospital, ele pediu para que a paciente dele fosse tratada no Hadassah.

O Dr. Gielchinsky explica: “Na Síndrome da Transfusão Intergemelar, o bebê que recebe o sangue do outro gêmeo fica sobrecarregado e sofre uma insuficiência cardíaca, enquanto o segundo bebê perde sangue. Aproximadamente 10 a 15 por cento dos gêmeos idênticos desenvolvem esta condição”, segundo ele. A Síndrome, no entanto, pode agora ser tratada através da cirurgia intrauterina, realizada sob anestesia peridural. Utilizando uma técnica muito delicada, na qual um fetoscópio (uma pequena fibra ótica) é inserido dentro do útero, os vasos comunicantes entre os dois bebes são identificados e destruídos.

A jovem palestina recebeu o tratamento que salvou a vida de seus bebês no Hadassah. A ligação de cada bebê com sua parte separada da placenta foi um sucesso. Enquanto se recupera na Hospital Torre Sarah Westman Davidson, ela relata: “Nós viemos da zona rural de Jenin. Meu marido é agricultor. Eu nunca estive num lugar tão bonito nem recebi um tratamento tão maravilhoso”.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone