Até recentemente, uma adolescente palestina de 14 anos considerava-se uma típica e saudável garota de escola.

Apesar de ser apenas uma entre as poucas meninas de sua classe que ainda não haviam menstruado, ela não estava muito preocupada. Mas então sua voz tornou-se misteriosamente mais grave e fonte de extremo embaraço. O médico da família indicou um endocrinologista da Autoridade Palestina que havia recebido treinamento no Hadassah Medical Center sob a supervisão do chefe da Endocrinologia Pediátrica, Prof. David Zangen.

Prof. David Zangen
Prof. David Zangen

Testes mostraram que a adolescente havia nascido com uma rara síndrome de insensibilidade androgênica. Isto significa que é geneticamente do sexo masculino, com um cromossomo X e um cromossomo Y. Indivíduos com esta condição rara tem as características externas do sexo feminino mas não possuem útero.

A adolescente foi enviada ao Hadassah Hospital onde o ultrasom revelou que ela tinha testículos na cavidade abdominal. O Prof. Zangen imediatamente reuniu sua equipe multidisciplinar – incluindo o Dr. Guy Hidas, Urologista Pediátrico Sênior, um psicólogo, um geneticista e um assistente social – para confirmar o sexo do paciente. A recomendação da equipe e a decisão final da família sobre a intervenção cirúrgica determinaria a identidade sexual da adolescente para o resto de sua vida.

A família decidiu que a adolescente deveria ter os testículos removidos cirurgicamente.

O Dr. Hidas realizou o procedimento. “No Hadassah, uma equipe multidisciplinar foi reunida três anos atrás para ajudar pacientes sofrendo de desordens similares,” ele relata. “Além do desconforto do procedimento cirúrgico,” explica o Dr. Hidas, “não é uma escolha fácil em termos de imagem.” Portanto, antes de prosseguir com qualquer intervenção cirúrgica, ele enfatiza, “é imperioso conhecer a vontade do paciente.”

Por terem medo de que sua filha ficaria envergonhada se seu segredo viesse a público, a família optou por financiar a cirurgia de forma privada, apesar do considerável valor financeiro envolvido. Foram assistidos pelos Projeto Rozana, concebido pela Hadassah Australia em 2013 para levantar fundos para o tratamento no Hadassah de crianças palestinas da Margem Oriental e de Gaza com enfermidades críticas. O projeto recebeu o nome em homenagem a uma jovem menina palestina, Rozana Abu Ghannam, que foi salva no Hadassah Hospital depois de sofrer ferimentos mortais. O Projeto Rozana também financia o treinamento de médicos, enfermeiras e terapeutas palestinos no Hadassah para capacitá-los a formar forças de saúde em suas próprias comunidades.

Além da assistência financeira do Projeto Rozana, o Hadassah dispensou a taxa para o procedimento de modo que o fundo não teve que pagar o custo extra de uma cirurgia privada. “Nós não temos palavras suficientes para agradecer à equipe, particularmente ao Dr. David (Zangen) e ao Dr. Guy (Hidas),” relata o pai da adolescente. “Quando você encontra médicos como estes do Hadassah, eles se tornam família. Eles fizeram algo muito especial para nós. Nós também apreciamos sua absoluta discrição. Pais devem saber que se eles tem um problema tão sério como este, o Hadassah tem alguém que pode tomar conta deles.”

A agora sorridente adolescente comenta: “Eu não entendia porque uma coisa destas estava acontecendo comigo quando minha voz mudou. Somente os Drs. David e Guy apresentaram uma solução e agora eu posso ser feliz.”

A equipe de DSD (Desordens do Desenvolvimento Sexual) do Hadassah tratou mais de 20 meninos e meninas com uma variedade de condições complexas, das quais a maior parte precisou de intervenção cirúrgica.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone